Quem sou eu

Minha foto
Um ser humano simples com defeitos, virtudes e que a cada dia procura viver de uma forma mais coerente possível para ser feliz. Sou cadeirante desde 1977 devido a poliomielite (Paralisia infantil), blogueiro, ex Locutor do telemensagem Shalom,Palestrante, presidente da A.D.C.C.-ASSOCIAÇÃO DOS CADEIRANTES DE CARUARU, Ex bailarino,ex secretário e conselheiro do COMUD- Conselho municipal de defesa dos direitos das pessoas com deficiência, ESTUDANTE DE ECONOMIA NA UFPE CAA(Passei a emoção é inexplicável)! Primeiro cadeirante aprovado e sem cota em ampla concorrência. Membro do NACE-Núcleo de Acessibilidade da UFPE-CAA. Estudante em pesquisa de extensão em Direitos Humanos-UFPE CAA e Secretário do DA-Diretório Acadêmico do curso de Economia-UFPE,CAA

sábado, 18 de novembro de 2017

A solidão da mãe de uma criança com deficiência: "Não sou Especial!"


A jornalista e escritora Andréa Werner, 41, viu sua vida se transformar há nove anos, quando deu à luz Theo, um menino autista. Desde então, interpretou o diagnóstico como uma espécie de atestado de óbito, superou o luto, perdeu amigos, sentiu uma solidão profunda e encarou inúmeros preconceitos para inseri-lo no mundo. Em escolas regulares, viu crianças como ele serem tratadas como "autistas de estimação" Hoje, ela celebra os aprendizados ao lado do filho, mas teme deixá-lo após a morte. Leia o relato dela:


“Engravidei do Theo, meu primeiro e único filho, em 2007, dois meses depois de me casar. Eu tinha o sonho de me tornar mãe e, naturalmente, ele se tornou uma criança muito esperada por toda a família. Nossos pais estavam ansiosos pelo primeiro neto. 


A gravidez foi muito tranquila, sem nenhuma intercorrência. O Theo nasceu grandão, com 53 cm e quase 4 kg. O desenvolvimento enquanto ele era bebê foi aparentemente normal. Aos 5 meses, falou ‘papai’, aos 6, ‘mamãe’. Desinibido, começou cedo a cantar uns pedacinhos de música, gritava, batia palmas.


Primeiros sinais com 1 ano À medida que ele se aproximava do primeiro ano de vida, as coisas começaram a mudar. Theo foi perdendo as habilidades que tinha adquirido. No primeiro aniversário, não bateu palminhas durante o parabéns.Para nós, era só uma questão de personalidade forte. 

Aos dois anos, ele entrou na escolinha e as professoras notaram uma falta de interação com as outras crianças, contato visual precário e fixação por objetos em movimento. Logo,veio um pedido da escola para que fizéssemos uma avaliação com um neurologista. Foi aí que recebemos o diagnóstico: Theo é autista. 'Tem cura?' Essa foi a minha primeira reação.

É um momento de luto Senti como se meus sonhos tivessem acabado. Era como se meu filho tivesse morrido ali. A urgência imposta pelos médicos quanto ao tratamento, com a justificativa de que o cérebro da criança se desenvolve muito até os três anos. Digo que é como trocar o pneu com o carro andando. Estava sofrendo muito, mas tive que correr atrás dos melhores profissionais que pudessem ajudar meu filho.


Fonoaudiólogo, psicóloga, terapia ocupacional... O Theo já fez de tudo um pouco. Consultar um psicólogo ajuda a lidar com situações completamente desconhecidas como essa. É difícil sair de um luto sozinha. Alguém precisa te mostra a luz no fim do túnel.


Ser mãe de um autista é um processo solitário 

Assim que o diagnóstico chega, você deixa de ser uma mãe comum e se torna a ‘mãe especial’, aos olhos dos outros. Aquela que ‘tem uma força fora do normal’ e foi ‘predestinada a essa função’. As pessoas me olham com dó. Já cheguei a ouvir que ‘Deus não dá um fardo mais pesado do que se pode carregar’. É preciso parar de romantizar a maternidade de modo geral.

Muita gente, sem saber como agir, se afasta. Perdi amigos que não sabiam o que falar naquele momento difícil, e essa uma situação pela qual muitas mães passam. Se mostrar solícito e se fazer presente é tudo o que a gente precisa.

Essa sensação só se reverteu com a rede de apoio de mães de crianças autistas que se construiu ao meu redor. Por meio do blog ‘Lagarta Vira Pupa’ e das redes sociais, encontrei mulheres que, assim como eu, se sentiram diminuídas e tiveram sua autoestima completamente abalada com o isolamento. Elas se tornaram minhas melhores amigas.




terça-feira, 14 de novembro de 2017

‘Parei o trânsito’, diz cadeirante que fez protesto por acessibilidade em Caruaru

Um protesto chamou a atenção dos moradores no Centro de Caruaru. Um cadeirante revoltado com a falta de acessibilidade no transporte público parou em frente a um ônibus de uma empresa de transporte coletivo da cidade, impedindo a passagem do veículo. Algumas pessoas se juntaram a ele e pediram melhorias no serviço oferecido na cidade.
O caso aconteceu no inicio da noite desta segunda-feira (13) e foi registrado por nossa equipe de reportagem. O cadeirante Wallison, que inicialmente parou sozinho em frente ao veículo, afirma que faltam elevadores nos ônibus que faz a linha Centro ao Residencial Luiz Bezerra Torres.
“Toda vez que saiu do trabalho e venho pegar o ônibus, eles sempre não estão adaptados, a cada seis ônibus um tem acessibilidade. Eu tenho que ficar mais de uma hora esperando outro circular, disse o usuário Wallison.
Uma guarnição da PM esteve no local e convenceu o Wallison liberar a via, a Destra também esteve no local.
Fonte-No detalhe
https://nodetalhe.com.br/parei-o-transito-diz-cadeirante-que-fez-protesto-por-acessibilidade-em-caruaru/

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Linhas de ônibus passam por alterações aos sábados em Caruaru; confira


A partir do sábado (11), as linhas de ônibus Caruá, UFPE, Polo Caruaru, Rendeiras e São José vão fazer um desvio de itinerário na área central de Caruaru, no Agreste de Pernambuco. No horário das 10h às 14h, essas linhas não atenderão paradas como as das ruas Duque de Caxias e 15 de novembro.


De acordo com a diretora de Trânsito e Transportes da Destra, Adriana Leite, essa alteração atende dois objetivos. “Nós vamos evitar possíveis atrasos na programação da operação dessas linhas, em virtude do grande fluxo de veículos no Centro da cidade, em especial nos últimos sábados do ano. Além disso, também queremos restringir o acesso de veículos de grande porte naquela área durante esse período”, afirmou.


A medida é de caráter experimental e segue até o último sábado de dezembro e, dependendo do resultado, poderá ser expandida para outras linhas e tipos de veículos de grande porte.

Mudanças

Linhas Rendeiras e São José: Entre 10h e 14h não atenderão as paradas das ruas Duque de Caxias, 15 de novembro e 07 de Setembro.

Linhas Caruá, UFPE e Polo Caruaru: Entre 10h e 14h não atenderão as paradas das ruas 15 de Novembro, Avelino Florêncio e Manoel de Freitas.

FONTE-G1 CARUARU

Idosos e pessoas com deficiência devem se cadastrar no CadÚnico para não perder o Benefício de Prestação Continuada

O BPC é um programa do Governo Federal voltado a idosos e pessoas com deficiência, para se cadastrar no CadÚnico é necessário que o idoso procure um Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) mais próximo da residência.
Para a inscrição é preciso levar ao CRAS os seguintes documentos: CPF (obrigatório para todos os membros da família) ou Título de Eleitor do responsável pela Unidade Familiar e qualquer documento das outras pessoas da família: Certidão de Nascimento, Certidão de Casamento, RG, CPF, Título de Eleitor ou Carteira de Trabalho.
O cadastro no CadÚnico deve ser atualizado no máximo a cada dois anos ou quando houver alteração nas informações declaradas no último cadastramento. Pessoas com deficiência beneficiárias do BPC também devem se cadastrar até dezembro de 2018.

Sobre o BPC
O BPC é um benefício que assegura o pagamento de 1 salário mínimo mensal a pessoas a partir dos 65 anos de idade, ou mais. Para receber o benefício, é necessário comprovar não possuir meios de garantir o próprio sustento, nem tê-lo provido por sua família. A renda mensal familiar per capita deve ser inferior a ¼ (um quarto) do salário mínimo vigente.
Para a pessoa com deficiência o BPC oferece um salário mínimo mensal é a pessoa de qualquer idade, por meio de avaliação médica e social do INSS que evidencie impedimentos de longo prazo, de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas. A renda mensal familiar per capita deve ser inferior a ¼ (um quarto) do salário mínimo vigente. O familiar recebe 1 salário mínimo de forma mensal.


Fonte-Espaço do povo

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

PASSA A VALER LEI QUE TORNA TODOS ASSENTOS DE ÔNIBUS E METRÔ PREFERENCIAIS NO DF




Passa a valer nesta quarta-feira (8) a lei que torna todos os assentos de ônibus e do Metrô do Distrito Federal prioritários para idosos, grávidas, mulheres com crianças de colo e pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. A novidade tinha sido publicada no Diário Oficial em setembro e tinha prazo de 60 dias para entrar em vigor.

A reportagem da TV Globo entrou em ônibus e vagões do Metrô na terça e verificou que nem todos os coletivos tinham avisos ou sinalização, colocados durante este período de "adaptação".


Pela manhã desta quarta, no entanto, tótens na Rodoviária do Plano Piloto já alertavam sobre a lei. O Metrô informou que vai colocar avisos no sistema de som, de circuito de TV e adesivos nas paredes.

Em entrevista, o diretor do DFTrans, Léo Carlos Cruz, afirmou que não será feita fiscalização ostensiva para verificar a aplicação da lei. "Muito mais do que o caráter punitivo, a gente entende que ela tem caráter educativo e pedagogico", declarou.


"Da mesma forma como é praticada e fiscalizada a lei antifumo, a própria sociedade vai ajudar na aplicabilidade da lei, e motoristas e cobradores têm prerrogativa de orientar o usuário", continuou Cruz. "Em razão de conflito, podem solicitar ajuda de apoio policial. Mas não acredito que isso será preciso."


Projeto


O projeto foi sancionado integralmente pelo governador Rodrigo Rollemberg (PSB) e é de autoria do deputado distrital Cristiano Araújo (PSD). Ele determina que estações e os próprios coletivos tragam avisos alertando para a nova regra.

Na prática, significa que um passageiro sentado terá de se levantar se alguma pessoa beneficiada pela medida estiver sem lugar. A lei diz que não vai ser necessário fazer nenhuma mudança estrutural nos coletivos.


Ao defender o projeto, o deputado Cristiano Araújo afirma que, por haver assentos preferenciais devidamente identificados, "muitas pessoas" acham que não é necessário ceder espaço. Para ele, a intenção é "reforçar o exercício da cidadania e o respeito ao próximo".


"Cabe ao governo fiscalizar e realizar campanhas publicitárias para orientar os passageiros", disse o deputado à época em que a lei foi publicada ao G1.

Fonte: G1




domingo, 5 de novembro de 2017

Enem 2017: Tema da redação surpreende, mas é considerado fácil por estudantes

Estudantes ouvidos pelo G1 consideraram fácil o primeiro dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), em São Carlos (SP), neste domingo (5). O tema da redação, "Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil", surpreendeu, mas foi visto como tranquilo para o desenvolvimento. Veja abaixo a opinião de três estudantes sobre a prova, que teve 45 questões de ciências humanas e 45 de linguagens e códigos, além da redação.


Tema fora do 'padrão'

O estudante Allan Ferrari, de 19 anos, tenta vaga em engenharia civil e viu o tema como fora do ‘padrão Enem’. “Mas abordou um tema que é fácil de falar. Falei para o governo acordar, para investir mais nessa área”, explicou.


Ferrari, que fez cursinho no IFSP e fez a prova pela segunda vez, disse que entre as questões as de português estavam mais difíceis. Para ele, a separação da prova em dois domingos é benéfica. “Achei melhor, como gosto de exatas consigo focar mais no próximo domingo”.

VÁRIOS ARGUMENTOS

O tema da redação também surpreendeu o estudante Caio Fais, de 19 anos, que faz direto em uma faculdade particular e agora busca vaga em uma pública.


“É um tema que não era muito esperado, mas é um tema fácil, que tem vários argumentos que você pode usar”, disse.


Sobre as outras provas, ele colocou todas no mesmo nível das do ano passado. “Acho que de ciências humanas foi a mais difícil, estava razoável”, afirmou.


A separação da prova incomodou pelo fato de ter que viajar em dois fins de semana, mas a forma ainda é mais vantajosa. “Eu acho mais difícil ter que fazer em dois domingos, porque mudei para Campinas, então tenho que viajar para fazer, mas em geral tem um tempo maior para descansar entre uma prova e outra, não é tão corrida”, disse.

Testando conhecimentos


O Enem também teve estudantes testando os conhecimentos neste domingo. A estudante de ciências exatas da USP Daiana Mara Santos Cruz, de 20 anos, foi um deles. “Achei bem tranquilo o tema da redação, já tive essa matéria na faculdade, já tive libras”, destacou.


Ela prestou a prova pela terceira vez e considerou o nível de dificuldade parecido com os outros anos. “Continuei fazendo para não perder o ritmo”.


FONTE-G1







quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Só poderá receber o BPC quem se inscrever no Cadastro Único

As pessoas que recebem o BPC (Benefício de Prestação Continuada) têm um prazo para se inscrever no CadÚnico (Cadastro Único) do Governo Federal. Caso contrário, não poderão receber o benefício. O prazo é até 31/12/2017 para as pessoas idosas e até 31/12/2018 para as pessoas com deficiência.

Com a publicação do Decreto nº 8.805, de 7 de julho de 2016, tornou-se obrigatório, a partir de 6 de novembro de 2016, para o requerimento, a concessão e a revisão bienal do BPC, que as famílias estejam inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, com informações atualizadas. A utilização do Cadastro Único possibilita conhecimento mais aprofundado do perfil socioeconômico das famílias por possuir informações acerca das características da família, do domicílio, da escolaridade, da qualificação profissional, de despesas mensais, entre outras.

O Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC) é direito garantido pela Constituição Federal de 1988, regulamentado pela Lei Orgânica da Assistência Social –LOAS, Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993 e pelo Decreto nº 6.214, de 26 de setembro de 2007. O BPC consiste no pagamento de um salário mínimo mensal a pessoas com 65 anos de idade ou mais, e a pessoas com deficiência. Para a concessão do benefício, em ambos os casos, a renda mensal bruta familiar per capita deve ser inferior a ¼ (um quarto) do salário mínimo vigente.




A Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude (SDSCJ), sob a gestão de Roberto Franca, por meio da Executiva de Assistência Social, dirigida por Socorro Araújo, e seguindo as diretrizes do Governo Paulo Câmara, alerta para a necessidade dos beneficiários do BPC não perderem o prazo de inscrição no Cadastro Único.

FONTE-https://www.sigas.pe.gov.br/noticia/s-poder-receber-o-bpc-quem-se-inscrever-no-cadastro-nico