Quem sou eu

Minha foto
Um ser humano simples com defeitos, virtudes e que a cada dia procura viver de uma forma mais coerente possível para ser feliz. Sou cadeirante desde 1977 devido a poliomielite (Paralisia infantil), blogueiro, ex Locutor do telemensagem Shalom,Palestrante, presidente da A.D.C.C.-ASSOCIAÇÃO DOS CADEIRANTES DE CARUARU, Ex bailarino,ex secretário e conselheiro do COMUD- Conselho municipal de defesa dos direitos das pessoas com deficiência, ESTUDANTE DE ECONOMIA NA UFPE CAA(Passei a emoção é inexplicável)! Primeiro cadeirante aprovado e sem cota em ampla concorrência. Membro do NACE-Núcleo de Acessibilidade da UFPE-CAA. Estudante em pesquisa de extensão em Direitos Humanos-UFPE CAA

domingo, 8 de dezembro de 2013

Profissionais de saúde debatem melhor atendimento a pessoas com deficiência

O 1° Congresso Internacional sobre Saúde da Pessoa com Deficiência e Grupos Especiais (Cispod), que começou nesta sexta-feira (6), na capital federal, debaterou uma série de medidas que poderão proporcionar a esses cidadãos um atendimento integral e de melhor qualidade. O evento reuniu profissionais de 11 áreas - medicina, odontologia, nutrição, farmácia, fisioterapia, terapia ocupacional, psicologia, educação física, enfermagem, ensino e pesquisa. Participaram também, entidades de assistência, pessoas com deficiência e parentes.

"O evento se propõe ao debate no sentido de melhorar o atendimento a esses pacientes, de forma multidisciplinar com todos os atores envolvidos, profissionais de saúde e família" explicou o coordenador executivo do evento, Marcílio Sales.
A iniciativa do congresso partiu de uma proposta de cirurgiões dentistas que perceberam que Brasília era carente no atendimento da saúde a essa parcela da população. A partir daí um grupo de odontólogos conversaram com outros profissionais de saúde para viabilizar o evento que permitirá, também, troca de informações para melhor lidar no atendimento das pessoas com deficiência.
Durante o congresso aconteceram palestras multidisciplinares, conferências e mesas redondas. Também há um espaço chamado de "sala da família" onde os parentes das pessoas com deficiência puderam trocar experiências.
No congresso, as pessoas puderam, ainda, fazer cursos de capacitação, explicou a coordenadora de farmácia da universidade Unieuro, instituição parceira do evento."[Vamos] capacitar pessoas que tenham qualquer tipo de deficiência para o mercado de trabalho, na área de produção e venda de produtos de farmácia", disse.


Fonte: Agencia Brasil e Fernanda Zago

Nenhum comentário:

Postar um comentário