Quem sou eu

Minha foto
Um ser humano simples com defeitos, virtudes e que a cada dia procura viver de uma forma mais coerente possível para ser feliz. Sou cadeirante desde 1977 devido a poliomielite (Paralisia infantil), blogueiro, ex Locutor do telemensagem Shalom,Palestrante, presidente da A.D.C.C.-ASSOCIAÇÃO DOS CADEIRANTES DE CARUARU, Ex bailarino,ex secretário e conselheiro do COMUD- Conselho municipal de defesa dos direitos das pessoas com deficiência, ESTUDANTE DE ECONOMIA NA UFPE CAA(Passei a emoção é inexplicável)! Primeiro cadeirante aprovado e sem cota em ampla concorrência. Membro do NACE-Núcleo de Acessibilidade da UFPE-CAA. Estudante em pesquisa de extensão em Direitos Humanos-UFPE CAA e Secretário do DA-Diretório Acadêmico do curso de Economia-UFPE,CAA

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Cadeirantes fajutos


Pipocam nas redes sociais imagens de supostos larápios que compraram ingressos para Copa se passando por pessoas com deficiências e tendo o direito de ficar em lugares com visão bacana dos estádios.

Os flagrantes mostram os supostos cadeirantes fajutos em pé, o que demonstraria que eles não precisariam daqueles espaços, que são falsários, aproveitadores, crápulas e tudo mais.
Já li até que a polícia vai investigar as imagens do que estão sendo considerados “milagres do Mundial”. Bem, antes de descascar a melancia nessas pessoas, é preciso fazer algumas considerações:

- Nem toda pessoa que precisa de uma cadeira de rodas está totalmente impossibilitada de ficar em pé. Há deficiências que não permitem a marcha, por exemplo, e a pessoa tem a cadeira como um suporte.

- Pessoas em recuperação de um pé quebrado, de uma perna em frangalhos podem fazer uso de cadeiras de rodas e podem ficar em pé.

- Pessoas com órteses que dão sustentação aos membros inferiores podem usar cadeiras de rodas e podem também ficar em pé.

Sim, mesmo com todas essas considerações preciso admitir que haja reais aproveitadores na turma, por mais que me doa “as partes” imaginar o seguinte roteiro:

Primeiro, a pessoa mentiu uma condição física para comprar o ingresso, depois, ela deu um jeito de arrumar uma cadeira de rodas, em seguida, ela passou por uma revista e pelos olhares dos fiscais numa boa para manter a sua mentira…

Exemplo de imagem com suposta “cadeirante fajuta” que circula pelas redes sociais.

É possível tudo isso?

É triste imaginar que sim. É triste, a partir de agora, uma pessoa com uma necessidade legítima de um lugar com características diferentes seja olhada torto devido á ação nojenta de gente indigna de receber o título de “civilizada”.

Quando se grita pelos flagrantes desrespeitos aos direitos do povo “malacabado” está se externando a discussão de ampliar a visibilidade e as informações sobre as diferenças.

Os cadeirantes fajutos são fruto de uma sociedade que dá as costas para pressionar com vigor por mais educação, por mais respeito à diversidade, por mais cidadania.

Todas as vezes que eu preciso provar que sou do time dos quebrados, me apoquento, fico #xatiado e considero o fim do mundo. Seria desnecessário medidas assim, caso o ser humano fosse um tiquinho menos egoísta, tivesse mais consciência sobre demandas dos outros.

Mais do que a polícia descobrir se esses torcedores desonraram milhares de pessoas com deficiência e a Justiça condená-las por falsidade ideológica (seria isso, amigos juristas?), é chance de todos os brasileiros refletirem sobre a carência de contato e conhecimento básico em relação às diferenças físicas.

Aos cadeirantes, também fica a reflexão de que a percepção de que “não se usa” a vaga determinada, o ingresso reservado, o emprego da cota está ganhando terreno e fomentando, cada vez mais, o oportunismo.

Dessa maneira, temos de enfrentar com o “carão” e com a coragem todas as flagrantes adversidades desse país para que larápios não se achem no direito de nos atropelar.. mais uma vez.

 Fontes: Blog Assim Como Você e APNEN Nova Odessa

Nenhum comentário:

Postar um comentário