Quem sou eu

Minha foto
Um ser humano simples com defeitos, virtudes e que a cada dia procura viver de uma forma mais coerente possível para ser feliz. Sou cadeirante desde 1977 devido a poliomielite (Paralisia infantil), blogueiro, ex Locutor do telemensagem Shalom,Palestrante, presidente da A.D.C.C.-ASSOCIAÇÃO DOS CADEIRANTES DE CARUARU, Ex bailarino,ex secretário e conselheiro do COMUD- Conselho municipal de defesa dos direitos das pessoas com deficiência, ESTUDANTE DE ECONOMIA NA UFPE CAA(Passei a emoção é inexplicável)! Primeiro cadeirante aprovado e sem cota em ampla concorrência. Membro do NACE-Núcleo de Acessibilidade da UFPE-CAA. Estudante em pesquisa de extensão em Direitos Humanos-UFPE CAA e Secretário do DA-Diretório Acadêmico do curso de Economia-UFPE,CAA

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Professor com deficiência auditiva cobra respeito e inclusão à sociedade



Com ajuda da intérprete de libras Dilaina Maria, o professor Reinoldo Mendonça, que é surdo e mudo, expressou como ele e centenas de outras pessoas com alguma deficiência se sentem em relação à sociedade.
“As pessoas não têm interesse em aprender a língua de sinais, por exemplo, ou não respeitam a vaga dos deficientes. Os prédios públicos precisam de mais acessibilidade. Falta respeito por esse público”, disse.

Nesta sexta-feira, 26, o Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Conede) apresentou para a comunidade a cartilha que contém os itens da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, um momento de esperança para quem enfrenta tantas dificuldades. “É necessária a divulgação da lei para fomentar a questão do respeito e as estratégias de inclusão das pessoas com deficiências no convívio da sociedade, só assim poderemos viver dias melhores”, comentou Mendonça.

Segundo o censo do IBGE de 2010, no Acre, entre uma população de 732.793 habitantes, 165.823 declararam ter alguma deficiência. É para essas pessoas que a legislação pretende garantir condições de acesso à educação e saúde e estabelecer punições para atitudes discriminatórias.
“O conselho vai intensificar ainda mais a fiscalização para garantir os direitos dessa parcela da sociedade. A Lei vai dar dignidade para a pessoa com deficiência”, afirmou Rosangela Melo, presidente do Conede.


Fonte-Notícia do Acre

Nenhum comentário:

Postar um comentário