Quem sou eu

Minha foto
Um ser humano simples com defeitos, virtudes e que a cada dia procura viver de uma forma mais coerente possível para ser feliz. Sou cadeirante desde 1977 devido a poliomielite (Paralisia infantil), blogueiro, ex Locutor do telemensagem Shalom,Palestrante, presidente da A.D.C.C.-ASSOCIAÇÃO DOS CADEIRANTES DE CARUARU, Ex bailarino,ex secretário e conselheiro do COMUD- Conselho municipal de defesa dos direitos das pessoas com deficiência, ESTUDANTE DE ECONOMIA NA UFPE CAA(Passei a emoção é inexplicável)! Primeiro cadeirante aprovado e sem cota em ampla concorrência. Membro do NACE-Núcleo de Acessibilidade da UFPE-CAA. Estudante em pesquisa de extensão em Direitos Humanos-UFPE CAA e Secretário do DA-Diretório Acadêmico do curso de Economia-UFPE,CAA

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Aplicativo de celular inova ao facilitar transporte de idosos e deficientes

Aplicativo está disponível para Androide e IOS (Foto: Mariana Vasconcelos/Essence Cuidados )
Após toda a polêmica envolvendo Uber e os táxis na Região Metropolitana do Recife, mais um serviço de mobilidade chega a capital pernambucana. Voltado para idosos, cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida, o Essence Cuidados traz a proposta de ser um aplicativo de mobilidade acessível com carros adaptados e cuidados capacitados.

Disponível em Androide e IOS, o aplicativo recifense oferece dois tipos de carros: o adaptado com elevador para cadeirantes e o usual para pessoas com mobilidade reduzida. O serviço ainda pode ser requisitado pela internet ou pelo pelo telefone (81) 3419.8086.


Já o motorista, na verdade, é um cuidador capacitado ou técnico de enfermagem – a depender da necessidade do passageiro. Todo o trajeto pode ser acompanhado por  quem solicitou o serviço, que também pode ver o que acontece dentro do carro por meio de câmeras de vigilância.
“Estamos no mercado para preencher essa lacuna de mobilidade das pessoas. Nosso serviço é pensado, principalmente, para os parentes que não tem tempo para levar seu familiar para uma rotina de médico e outras atividades que requerem um acompanhamentos”, comenta o diretor do serviço Rafael Bitu.


No primeiro contato, o usuário precisa decidir por quanto tempo precisará do serviço e o tipo de veículo, além de detalhar qual a necessidade do passageiro. Ao contrário do Uber e dos táxis, o pagamento é feito por hora e não por quilometragem – R$ 75 carro adaptado e R$ 60 veículo usual.
Lançado em maio deste ano e já operando a todo vapor, Bitu diz não temer a represália dos taxistas. “É outro segmento. Pesquisamos muito sobre essa temática que está bem aquecida desde o ano passado. Sermos um serviço voltado para a mobilidade do passageiro nos distancia muito desse embate [entre Uber e táxis]”.
Entretanto, Rafael Bitu entrega que o grupo responsável pela criação do aplicativo resolveu procurar consultoria jurídica durante a elaboração do projeto. “A gente foi até juridicamente a fundo nisso. Estamos bem distante dessa linha. Hoje, por exemplo, não tem táxi assim na cidade e a única coisa próxima do Uber é o uso do aplicativo”, defende.

FONTE-G1 PE

Nenhum comentário:

Postar um comentário