Quem sou eu

Minha foto
Um ser humano simples com defeitos, virtudes e que a cada dia procura viver de uma forma mais coerente possível para ser feliz. Sou cadeirante desde 1977 devido a poliomielite (Paralisia infantil), blogueiro, ex Locutor do telemensagem Shalom,Palestrante, presidente da A.D.C.C.-ASSOCIAÇÃO DOS CADEIRANTES DE CARUARU, Ex bailarino,ex secretário e conselheiro do COMUD- Conselho municipal de defesa dos direitos das pessoas com deficiência, ESTUDANTE DE ECONOMIA NA UFPE CAA(Passei a emoção é inexplicável)! Primeiro cadeirante aprovado e sem cota em ampla concorrência. Membro do NACE-Núcleo de Acessibilidade da UFPE-CAA. Estudante em pesquisa de extensão em Direitos Humanos-UFPE CAA e Secretário do DA-Diretório Acadêmico do curso de Economia-UFPE,CAA

sábado, 2 de julho de 2016

Poste em rampa atrapalha acesso de cadeirante ao Parque Olímpico do Rio

Virgínia e Júlio, com o poste no meio da passagem para cadeirantes diante da instalação olímpica (Foto: Reprodução/ Facebook)
Quando o fotógrafo Júlio Sousa levou a mãe, Virgínia, ao Parque Olímpico do Rio para assistir ao amistoso entre as seleções de handebol do Brasil e da Suíça, em um evento-teste para a Olimpíada, acreditou que seria uma boa oportunidade de diversão. Mas, uma falha na acessibilidade ao local prejudicou o passeio.

Virgínia depende de uma cadeira de rodas para se locomover desde que um acidente de carro, há 20 anos, lhe causou uma lesão cerebral que comprometeu sua capacidade motora. A entrada dela ao Parque Olímpico, no último domingo (26), foi dificultada por um poste que obstruía, justamente, a rampa de acesso para deficientes físicos.

 A obra foi entregue agora e tem um poste em frente à passagem dos cadeirantes. E tem uma faixa de pedestres. Existe a faixa e quando o cadeirante vai subir a calçada tem um poste”, reclamou Júlio.

Há cinco anos o fotógrafo, que é de Recife e há seis meses mora no Rio, coleta material sobre acessibilidade em várias partes do Brasil e do mundo, sempre acompanhado da mãe. Sobre o Parque Olímpico, ele registrou o desabafo em uma rede social.

Para driblar o obstáculo, ele contou com a ajuda do irmão, que os acompanhou. Eles tiveram de carregar a cadeira de rodas para a calçada. Superado o problema no acesso ao Parque Olímpico, na área interna eles se depararam com mais um problema, desta vez para uso do banheiro.


“Meu irmão teve que ir com ela ao banheiro feminino, o que era bem constrangedor. A moça da limpeza entrou antes para ver se tinha alguém ou algum problema. Depois descobrimos que tinha um banheiro especial, mas não fomos orientados”, explicou Júlio.
O fotógrafo enfatizou que o local é um espaço por onde cadeirantes terão que passar para assistir aos eventos da Olimpíada e da Paralimpíada e que não adianta ter boas condições do lado de dentro se do lado de fora deixa a desejar.
Longa distância
As reclamações sobre as condições de chegada de deficientes físicos nos locais de competição da Olimpíada também são um questionamento de Paulo Sérgio Sales, coordenador de esportes da Associação de Apoio às Pessoas Portadoras de Deficiência da Zona Oeste do Rio de Janeiro (Adezo), região da cidade que receberá a maior parte das competições. Para ele, as paradas de ônibus na Avenida Brasil são distantes da entrada do Complexo Esportivo de Deodoro.
“Os cadeirantes que forem de ônibus terão que passar por um bom pedaço para chegar. Na minha opinião, os ônibus deveriam oferecer uma possibilidade para as pessoas deficientes”, explicou Paulo Sérgio, que foi ao evento-teste do rugby, em março.
O coordenador da Adezo ressaltou ainda que é difícil e demorado percorrer de muletas ou cadeiras de rodas distâncias que parecem simples para quem não tem comprometimento motor.
Uma reportagem especial do G1 publicada no dia 27 de junho mostrou que, atualmente, o Rio oferece melhores condições para os deficientes, mas que ainda está longe do ideal.
“Tem duas cidades dentro da cidade. Na Zona Sul dá para o cadeirante se deslocar. Já na Zona Norte, até quem anda tem dificuldade para circular”, apontou o fotógrafo Júlio Sousa.
Procurada pelo G1 para se posicionar sobre as falhas nos acessos ao Parque Olímpico, a Empresa Olímpica não respondeu aos questionamentos até a publicação desta reportagem.

Fonte-G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário