Quem sou eu

Minha foto
Um ser humano simples com defeitos, virtudes e que a cada dia procura viver de uma forma mais coerente possível para ser feliz. Sou cadeirante desde 1977 devido a poliomielite (Paralisia infantil), blogueiro, ex Locutor do telemensagem Shalom,Palestrante, presidente da A.D.C.C.-ASSOCIAÇÃO DOS CADEIRANTES DE CARUARU, Ex bailarino,ex secretário e conselheiro do COMUD- Conselho municipal de defesa dos direitos das pessoas com deficiência, ESTUDANTE DE ECONOMIA NA UFPE CAA(Passei a emoção é inexplicável)! Primeiro cadeirante aprovado e sem cota em ampla concorrência. Membro do NACE-Núcleo de Acessibilidade da UFPE-CAA. Estudante em pesquisa de extensão em Direitos Humanos-UFPE CAA e Secretário do DA-Diretório Acadêmico do curso de Economia-UFPE,CAA

sábado, 2 de julho de 2016

Primeira advogada pública deficiente visual do Recife é exemplo de superação

Carla Oliveira não se deixa abater por dificuldades e já perdeu a conta da quantidade de concursos em que já passou. Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Por Yasmin Freitas
yfreitas@jc.com.br

Quem vê a funcionária pública Carla Oliveira, 28 anos, empossada como advogada na Procuradoria do Recife, nem imagina o quanto de sua história é marcada por dificuldades e superação de preconceitos em relação à sua deficiência visual, sem falar na necessidade constante de se reafirmar diariamente aos olhos dos outros, como se devesse provar que merece ter chegado aonde está hoje. Tudo começou no ano de 2006, quando Carla, ainda adolescente, adquiriu uma apostila para concurso destas facilmente encontradas em bancas de revista. Dia após dia, a mãe lia para a filha durante um período de quatro horas. Assim, a então candidata a uma vaga de nível médio na Secretaria de Educação, Esporte e Lazer da Prefeitura do Recife (PCR) pôde absorver o conteúdo escrito nas páginas. Carla tem comprometimento para enxergar desde a infância, fase da vida em que o glaucoma congênito – doença hereditária decorrente do aumento da pressão intraocular – reduziu a sua visão em mais de 90%. Não foi um empecilho. Aos 18 anos, ela foi aprovada na seleção da PCR, um marco para o início dos tempos de servidora.

Após dar seus primeiros passos no concurso da Secretaria de Educação, dez anos atrás, a funcionária pública percorreu um longo caminho profissional. Graduou-se como uma das melhores alunas da classe no curso de Direito da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), em 2012, e obteve resultados de destaque no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Protagonizou, ainda, um número sem fim de aprovações em outras repartições públicas, a exemplo dos concorridos Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), Ministério Público de Pernambuco (MPPE), Secretaria da Fazenda de Pernambuco (Sefaz-PE), Tribunal Regional do Trabalho de Alagoas (TRT-AL) e Tribunal Regional do Trabalho de Pernambuco (TRT-PE). No TRT-PE, onde atuou durante três anos como analista, recebeu um voto de reconhecimento e aplauso. Por meio do documento, o tribunal ressalta a determinação e competência de Carla na superação de dificuldades e por não se limitar à sua deficiência visual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário