Quem sou eu

Minha foto
Um ser humano simples com defeitos, virtudes e que a cada dia procura viver de uma forma mais coerente possível para ser feliz. Sou cadeirante desde 1977 devido a poliomielite (Paralisia infantil), blogueiro, ex Locutor do telemensagem Shalom,Palestrante, presidente da A.D.C.C.-ASSOCIAÇÃO DOS CADEIRANTES DE CARUARU, Ex bailarino,ex secretário e conselheiro do COMUD- Conselho municipal de defesa dos direitos das pessoas com deficiência, ESTUDANTE DE ECONOMIA NA UFPE CAA(Passei a emoção é inexplicável)! Primeiro cadeirante aprovado e sem cota em ampla concorrência. Membro do NACE-Núcleo de Acessibilidade da UFPE-CAA. Estudante em pesquisa de extensão em Direitos Humanos-UFPE CAA

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Crise nas Paralimpíadas é destaque na imprensa internacional

A imprensa internacional demonstra preocupação com os problemas das Paralímpiadas, que ocorrerão do dia 7 a 18 de setembro no Rio de Janeiro. Conforme divulgado pelo jornal americano The Wall Street Journal, menos de 10% dos ingressos para os jogos foram vendidos até agora – “um grande constrangimento para o Brasil”.  

A crise se agravou com a decisão da Justiça brasileira de proibir investimento público ou patrocínio de estatais para o evento, até que o comitê organizador da Olimpíada Rio 2016, em curso, divulgue seus gastos.

Os veículos estrangeiros reforçam a informação de que os atletas que participarão da competição ainda não receberam o dinheiro que cobriria os gastos de passagem aérea até o Brasil.

O site TSF, de Portugal, declara que o país “ainda não recebeu o dinheiro necessário para o transporte dos atletas”. E explica: “Há poucos patrocinadores interessados e as vendas de bilhetes estão escassas”.

Na Austrália, a notícia também repercutiu. No site da emissora SBS, o texto afirma que “seria terrível se os atletas de outros países não puderem comparecer por causa do problema de financiamento”.


Os veículos mencionam que Philip Craven, presidente do Comitê Paralímpico Internacional, garante que a competição ocorrerá, “embora a situação seja precária”.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário