Quem sou eu

Minha foto
Um ser humano simples com defeitos, virtudes e que a cada dia procura viver de uma forma mais coerente possível para ser feliz. Sou cadeirante desde 1977 devido a poliomielite (Paralisia infantil), blogueiro, ex Locutor do telemensagem Shalom,Palestrante, presidente da A.D.C.C.-ASSOCIAÇÃO DOS CADEIRANTES DE CARUARU, Ex bailarino,ex secretário e conselheiro do COMUD- Conselho municipal de defesa dos direitos das pessoas com deficiência, ESTUDANTE DE ECONOMIA NA UFPE CAA(Passei a emoção é inexplicável)! Primeiro cadeirante aprovado e sem cota em ampla concorrência. Membro do NACE-Núcleo de Acessibilidade da UFPE-CAA. Estudante em pesquisa de extensão em Direitos Humanos-UFPE CAA

domingo, 9 de outubro de 2016

Leonardo Sbaraglia interpreta um cadeirante no thriller 'No fim do túnel', do argentino Rodrigo Grande

Um homem numa cadeira de rodas que está passando pela vida sem qualquer vontade de continuar. Uma dançarina de striptease tem uma filha que não fala e leva a vida até as últimas consequências.

No fim do túnel, produção argentino-espanhola de Rodrigo Grande tem início quase como um drama pessoal. Mas não se engane. É um thriller de primeira.

 Leonardo Sbaraglia, hoje o ator argentino que só perde em popularidade no Brasil para Ricardo Darín (está em cartaz também em O silêncio do céu, de Marco Dutra) é o protagonista.

 Ele interpreta Joaquín, homem que perdeu a mobilidade em um acidente de carro, onde perdeu também mulher e filha. Berta (a espanhola Clara Lago) é a stripper que lhe invade o antigo casarão pedindo para alugar a parte de cima da moradia – o que Joaquín aceita com muita relutância, mesmo precisando urgentemente de dinheiro.


Trabalhando no sótão consertando computadores, Joaquín descobre que do outro lado da parede está um bando de ladrões. O líder é Galereto (Pablo Echarri, outro ator de peso na produção argentina contemporânea), que comanda a construção de um túnel para roubar um banco próximo. Joaquín passa então a vigiar o grupo, tentando antecipar cada movimento dos ladrões.

No fim do túnel é o primeiro filme de Grande a chegar ao mercado brasileiro. Com uma narrativa cheia de reviravoltas (algumas um tanto inverossímeis, mas vá lá) o filme tem como maior mérito um clima opressivo, claustrofóbico, que segura o espectador até o desfecho.



 “Apresentei para os diretores de fotografia e de arte uma síntese do que queria. O clima do David Fincher em Seven – Os sete pecados capitais (1995), o humor de Orson Welles e alguns trabalhos de quadrinistas argentinos que sempre utilizaram o claro e o escuro, sobretudo Alberto Breccia”, afirma o diretor, que veio ao Brasil para divulgar o longa.

Narrativa quase toda centrada em ambientes fechados, o thriller ainda tem uma trilha sonora que orquestra cada nova passagem. A história, que enfoca questões éticas – afinal, existe o certo e o errado entre ladrões? –, ainda coloca dois opositores de peso.

O Joaquín de Sbaraglia é um homem traumatizado, mas de boa índole, enquanto o Galetero de Echarri (que estreia no longa como coprodutor) é o mal encarnado. O embate entre a dupla só se dá no final, com um banho de sangue obrigatório para este tipo de (bom) cinema.

Fonte- http://www.uai.com.br/app/noticia/cinema/2016/10/06/noticias-cinema,195217/leonardo-sbaraglia-interpreta-um-cadeirante-em-no-fim-do-tunel.shtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário