Quem sou eu

Minha foto
Um ser humano simples com defeitos, virtudes e que a cada dia procura viver de uma forma mais coerente possível para ser feliz. Sou cadeirante desde 1977 devido a poliomielite (Paralisia infantil), blogueiro, ex Locutor do telemensagem Shalom,Palestrante, presidente da A.D.C.C.-ASSOCIAÇÃO DOS CADEIRANTES DE CARUARU, Ex bailarino,ex secretário e conselheiro do COMUD- Conselho municipal de defesa dos direitos das pessoas com deficiência, ESTUDANTE DE ECONOMIA NA UFPE CAA(Passei a emoção é inexplicável)! Primeiro cadeirante aprovado e sem cota em ampla concorrência. Membro do NACE-Núcleo de Acessibilidade da UFPE-CAA. Estudante em pesquisa de extensão em Direitos Humanos-UFPE CAA

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Em prol da Acessibilidade.BRASILEIRO INICIA VIAGEM DE NORTE A SUL DO PAÍS EMPURRANDO CADEIRA DE RODAS

Em seu Gol 1986, o fotógrafo mineiro José de Castro partiu, nesta quarta-feira (15), para uma viagem que vai da cidade de Viçosa (MG), onde mora, até Uiramutã, em Roraima. Os mais de 5 mil km de distância e de 10 a 15 dias de duração prevista podem parecer muito, mas estão longe de ser o maior desafio da sua jornada.

O objetivo de José é atravessar o Brasil de Norte a Sul caminhando e empurrando uma cadeira de rodas. Serão 10.700 km ao longo de 20 estados, entre o Monte Caburaí, em RR, e o Chuí , no RS – considerados os extremos do Brasil. A viagem deve durar cerca de um ano.

Conhecido como Zé do Pedal, o fotógrafo tem longa experiência em aventuras mundo afora. Desde a década de 1980, já deu a volta ao mundo de bicicleta, atravessou o Japão em um velocípede e a América Latina de moto, navegou o Rio São Francisco de pedalinho e foi da França à África do Sul em um kart a pedal. No ano passado, sua história foi transformada em documentário pelos diretores Bruno Lima e Fabricio Menicucci.

Agora, aos 56 anos, Zé do Pedal decidiu colocar em prática a viagem pelo Brasil que planejou há cinco anos, batizada de “Extremas Fronteiras Barreiras Extremas: Cruzada pela Acessibilidade”. Como em aventuras anteriores, elegeu uma causa social para divulgar ao longo do caminho: desta vez, a acessibilidade.

Desde aos anos 80, Zé do Pedal já deu a volta ao mundo de bicicleta, atravessou o Japão em um velocípede e a América Latina de moto, navegou o Rio São Francisco de pedalinho e foi da França à África do Sul em um kart a pedal

Zé não tem nenhuma deficiência motora. Ele conta que se sensibilizou pelo tema em 2008, quando estava percorrendo o Caminho de Santiago, na Espanha e na França, e viu uma cadeirante com dificuldades para se locomover.


“Ela falava: ‘No puedo’ [não consigo]. Estava tentando subir uma rampa que tinha um degrauzinho. Para mim, subir aquele passeio era a coisa mais normal do mundo, mas para ela era um grande desafio. Comecei a imaginar as dificuldades que os cadeirantes enfrentam na minha cidade, no meu estado, no meu país”, diz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário