Quem sou eu

Minha foto
Um ser humano simples com defeitos, virtudes e que a cada dia procura viver de uma forma mais coerente possível para ser feliz. Sou cadeirante desde 1977 devido a poliomielite (Paralisia infantil), blogueiro, ex Locutor do telemensagem Shalom,Palestrante, presidente da A.D.C.C.-ASSOCIAÇÃO DOS CADEIRANTES DE CARUARU, Ex bailarino,ex secretário e conselheiro do COMUD- Conselho municipal de defesa dos direitos das pessoas com deficiência, ESTUDANTE DE ECONOMIA NA UFPE CAA(Passei a emoção é inexplicável)! Primeiro cadeirante aprovado e sem cota em ampla concorrência. Membro do NACE-Núcleo de Acessibilidade da UFPE-CAA. Estudante em pesquisa de extensão em Direitos Humanos-UFPE CAA e Secretário do DA-Diretório Acadêmico do curso de Economia-UFPE,CAA

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Colher inteligente pode ser usada por pessoas com deficiência motora


Empreendedores são criativos e sempre estão buscando soluções para problemas do dia a dia. E para inspirar novos negócios, o Estadão PME selecionou casos de empresas que inovaram. O primeiro exemplo é uma colher inteligente, que reduz os efeitos dos tremores das mãos de pessoas com deficiência motora ou Parkinson, por exemplo.


De acordo com o site Springwise, dedicado às novidades no campo da inovação pelo mundo, a colher Liftware tem um dispositivo com uma tecnologia para detectar os movimentos, alterar a distribuição de peso das mãos e forçar a colher a mover-se na direção oposta. Testes mostraram que a colher pode reduzir os efeitos dos tremores em até 75%, o que pode facilitar a vida de muitas pessoas. A colher está em pré-venda por US$ 295.
 
Outra inovação foi criada por sul-coreanos que desenvolveram um sistema de filtragem e purificação de água portátil que promete transformar água do mar em água potável. Chamada de Puri, a garrafa foi projetada para uso em barcos ou situações de emergência no mar, em que as pessoas podem precisar de água para não se desidratarem ou até mesmo morrerem. Com esse equipamento, elas podem beber a água do mar.

Relógio de pulso para cegos

A empresa Eone Timepieces, de Washington, criou The Bradley. O relógio, diferentemente de outros que ‘falam’ qual é a hora e podem não ser ideais para locais barulhentos ou públicos, o usuário pode identificar a hora pelo toque. O relógio tem uma face de metal escovado e rolamentos de esferas metálicas que indicam a hora certa, um na parte da frente, como ponteiro de minutos, e um no lado, que mostra as horas.


Fonte: Estadão PME

Nenhum comentário:

Postar um comentário