Quem sou eu

Minha foto
Um ser humano simples com defeitos, virtudes e que a cada dia procura viver de uma forma mais coerente possível para ser feliz. Sou cadeirante desde 1977 devido a poliomielite (Paralisia infantil), blogueiro, ex Locutor do telemensagem Shalom,Palestrante, presidente da A.D.C.C.-ASSOCIAÇÃO DOS CADEIRANTES DE CARUARU, Ex bailarino,ex secretário e conselheiro do COMUD- Conselho municipal de defesa dos direitos das pessoas com deficiência, ESTUDANTE DE ECONOMIA NA UFPE CAA(Passei a emoção é inexplicável)! Primeiro cadeirante aprovado e sem cota em ampla concorrência. Membro do NACE-Núcleo de Acessibilidade da UFPE-CAA. Estudante em pesquisa de extensão em Direitos Humanos-UFPE CAA e Secretário do DA-Diretório Acadêmico do curso de Economia-UFPE,CAA

sábado, 2 de julho de 2016

A emocionante carta de uma professora argentina para Messi

Depois da derrota na final da Copa América, o jogador Lionel Messi afirmou que não jogaria mais pela seleção de seu país. Pensando na reação de seus alunos, a professora argentina Yohana Fucks fez um pedido muito especial. Seu texto é repleto de lições que deveríamos levar sempre às crianças. Por isso, transcrevemos, em primeira mão, alguns trechos neste blog.

“Você provavelmente jamais lerá esta carta. Mas escrevo mesmo assim, não como torcedora de futebol, mas como professora argentina, essa profissão que escolhi e pela qual sou tão apaixonada, como você pela sua.

Poderia lhe escrever sobre a maravilha de seus talentos para o esporte mais amado do país (...), mas isso seria repetir frases feitas. Então vou pedir que me ajude num desafio muito mais complexo do que todos os que você enfrentou até agora: quero que me ajude na difícil missão de formar as condutas dessas crianças que o vêm como um herói e como um exemplo a seguir.

Por mais amor e dedicação que coloque no meu trabalho, jamais terei de meus alunos esse maravilhoso fascínio que sentem por alguém como você. E hoje verão seu maior ídolo se render. (...) Eu lhe peço: por favor não renuncie, não os deixe acreditar que neste país somente importa ganhar e ser o primeiro. Não lhes ensine que, apesar de tantas adversidades superadas, apesar de lutar desde tão jovem para chegar a ser um homem de sucesso, apesar de assumir responsabilidades desde cedo e ter lutado até com barreiras físicas para alcançar seus sonhos, tudo isso pode ser ofuscado diante das críticas dos que, no fundo, querem ser como você.

Se você, que teve o acompanhamento da sua família, que tem um rico patrimônio pessoal e o apoio de tanta gente, não consegue, como eles poderiam acreditar que são capazes de seguir em frente, apesar de tantas batalhas que têm de enfrentar a cada dia?

Eu não falo a eles do Messi que joga maravilhosamente, mas sim daquele que treinou milhares de lançamentos para conseguir colocar a bola nesse ângulo inalcançável para qualquer goleiro; falo do Messi que suportou, sendo um menino como eles, tantas dolorosas agulhas para continuar de pé, correndo atrás daquilo que amava; falo do Messi que ajuda outras crianças como eles nas suas diversas dificuldades; falo do Messi homem, o que constituiu uma família e lida todos os dias com o papel mais importante, que é ser um bom pai; (...) falo do Messi que pode errar até falhando num pênalti, porque todas as pessoas estão feitas de falhas e isso lhes mostra que até o maior de todos é imperfeito.

(...) Não se renda, não deixe que meus guris sintam que ficar em segundo lugar é uma derrota, que o valor das pessoas está no que têm nas prateleiras, que perder um jogo é perder a glória.

Meus alunos precisam entender que os mais nobres heróis, sem importar se são médicos, soldados, mestres ou jogadores de futebol, são os que dão o melhor de si mesmos para o bem-estar dos outros, mesmo sabendo que ninguém lhes dará mais valor por isso (...), e ainda assim tentam. Mas sobretudo, que as pessoas têm heroísmo e valentia, quando lutam e superam as perdas com coragem e integridade, mesmo que seja com o universo inteiro dizendo que não é possível. E um dia deparam com a maior das vitórias: ser felizes sendo eles mesmos, sem reclamar de quantos demônios tiveram que enfrentar para conseguir.

Todos falam de bolas, eu acredito na força do seu coração.”

Fonte-G1, Andrea Ramal 

Nenhum comentário:

Postar um comentário